Receba nossas atualizações

  • Cidade da Bahia
  • Ícone do Facebook Branco

© 2019 por Escriba Comunicação & Consultoria. Criado com Wix.com

  • Cidade da Bahia

Participação brasileira na Segunda Guerra ganha história em quadrinhos*


A Segunda Guerra Mundial (1939-1945) foi o maior conflito militar do Século XX. Ela colecionou trágicas primazias, como o genocídio em escala industrial, com as câmaras de gás dos campos de extermínio, e a utilização de armas nucleares, com os bombardeios das cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki. Para o Brasil, foi a única vez que o país enviou tropas ao Continente Europeu para enfrentar inimigos declarados, no caso a Itália fascista e a Alemanha nazista. Foi a única nação sulamericana a fazer isto.


Enquanto em outros países este acontecimento histórico resultou em muitas obras, como livros, filmes e quadrinhos, a história da participação brasileira no conflito ficou durante décadas praticamente relegada a famílias de ex-combatentes e poucos historiadores. Por isso é particularmente importante a primeira História em Quadrinhos (HQ) brasileira ambientada na Segunda Guerra a ser lançada nas últimas quatro décadas. A obra em questão é “Elísio: uma jornada ao inferno”, que se baseia nos relatos verídicos do soldado brasileiro Eliseu de Oliveira, publicados após a guerra primeiramente em livro reportagem do jornalista Altino Bondesan, base também para uma monografia do historiador Douglas Almeida.


A HC “Elísio: Uma Jornada ao Inferno”, lançamento da editora porto-alegrense AVEC (96 páginas, R$ 59,90), é a obra de estreia do paulista Renato Dalmaso, 38 anos, que até pouco tempo atrás trabalhava como gerente de loja. Aficionado pelos relatos dos mais velhos sobre parentes ou conhecidos que haviam lutado na guerra e um ávido consumidor da ficção e dos documentários produzidos sobre o tema, ele resolveu pesquisar a Força Expedicionária Brasileira (FEB) para encontrar uma história a ser contada. Encontrou a do ex-soldado Eliseu de Oliveira (1922-2012), que, ainda em 1945, ao final da guerra, narrara sua angustiante experiência na Itália e na Alemanha ao jornalista Altino Bondesan, dando origem ao livro “Um Pracinha Paulista no Inferno de Hitler”.


O título da obra de Dalmaso faz referência a um dos significados do nome Eliseu, "do Elísio", e à mitologia grega: os Campos Elísios eram um paraíso para onde os heróis, os santos, os poetas e os deuses iam depois da morte. Conforme o texto de apresentação, O Elísio toma liberdades artísticas, mas o estilo é realista, constituindo um dos trunfos da HQ. Através de suas aquarelas pintadas com cores sóbrias, é possível ter uma ideia do horror da guerra, o caos que um bombardeio instala, a aflição reinante em um campo de prisioneiros. É possível, também, acompanhar as reflexões de Eliseu, compartilhar de seus temores, seu estranhamento com a recepção pelos italianos, suas aventuras amorosas com as “ragazzas” e o sentimento de desamparo que não tarda a se transformar em desespero.


Aí está outro trunfo da obra: seu protagonista não é o herói típico do gênero. Ele é capaz de atos de nobreza e coragem, mas também se deixa assaltar pela dúvida, pela saudade, pelo nojo, pelo medo. O Elísio é a história de um homem comum, capaz de atos de nobreza e atormentado pelo medo, apanhado pelo turbilhão da Segunda Guerra.


Para reforçar a percepção do estranhamento vivido pelos pracinhas brasileiros, o autor optou por manter os diálogos nas línguas originais, alternando entre português, italiano e alemão. “Queria que o leitor sentisse as mesmas dificuldades de comunicação que os pracinhas tiveram na época. No caso do italiano, é uma mistura com o português, que era o que acontecia na época, dois povos se esforçando para se fazer entender. Nada do que está em outra língua é tão essencial para a história, mas fica como curiosidade, uma cereja no bolo do leitor que se interessar e buscar a tradução”, conta Dalmaso.


Recentemente, novas obras estão ajudando a revelar a dimensão da participação do Brasil na Segunda Guerra. Diários como “Nós vimos a cobra fumar” (Italo Diogo Tavares), memórias como “Bom Dia, Meus Camaradas” (Marechal Aguinaldo Caiado de Castro), biografias como “Manuel, o padioleiro – Aventuras de um pracinha baiano na II Guerra Mundial” (Chico Araújo) e “Batalhas de um pracinha” (Antonio Walter Santim), além de obras baseadas em novas pesquisas, como “Operação Brasil – O ataque alemão que mudou o curso da Segunda Guerra Mundial” (Durval Lourenço Pereira) ampliaram consideravelmente a bibliografia sobre o assunto.


No cinema, uma primeira iniciativa de 1960, “Sangue, Amor e Neve”, foi seguida mais de três décadas depois pelos importantes documentários “Senta a Pua!” (1999) , “A cobra fumou” (2002) e “Navalha: Um batalhão brasileiro na Linha Gótica” (2016) e pelas ficções “A Montanha”(2010) e “A Estrada 47” (2013). A primeira obra sobre a participação do Brasil na Segunda Guerra em quadrinhos chega para somar o leque das obras importantes, não apenas para preservar a memória dos pracinhas brasileiros, mas também para jogar luz sobre um conflito que mudou o mundo de forma irreversível e que, apesar de ofuscado por interesses políticos nacionais, tornou a democracia e a liberdade legados também dos brasileiros.


*ERRATA. O texto acima foi editado após alerta dos leitores Fernando Velôzo Gomes Pedrosa, Ricardo Bueno Sepini e Anna Juliace Fontana, de que, ao contrário do que o texto original informava, “O Elísio” não foi a primeira história em quadrinho a abordar a participação brasileira na Segunda Guerra Mundial. Conforme artigo de Francisco César Alves Ferraz e João Paulo Delgado Wolff, entre as décadas de 50 e 70 algumas histórias em quadrinhos trataram do assunto, tendo obtido maior alcance de público do que a literatura até então existente sobre o tema.