Receba nossas atualizações

  • Cidade da Bahia
  • Ícone do Facebook Branco

© 2019 por Escriba Comunicação & Consultoria. Criado com Wix.com

  • Cidade da Bahia

Nova obra de Avena conta a história de Luiza Mahin


Em janeiro de 1835, aproximadamente mil homens e mulheres, armados e com vestes brancas, tentaram tomar a cidade de Salvador com o objetivo de libertar os escravos e criar um estado Islâmico. E entre eles havia uma mulher: Luiza Mahin, uma ex-escrava, alfabetizada e linda, que liderou os escravos.


Esse é o pano de fundo do romance “Luiza Mahin”, que conta a luta e os amores da principal líder negra da Revolta dos Malês. A obra, escrita por Armando Avena, que tem nove livros publicados, está sendo lançada pela Editora Geração e terá noite de autógrafos nesta terça-feira, dia 17 de dezembro, em Salvador, na Livraria Saraiva do Shopping Salvador.


Os líderes da revolta foram negros muçulmanos alfabetizados, que se uniram a negros de outras etnias e organizaram tudo. Até um banco foi criado para financiar as ações. A narrativa acompanha o movimento dos negros muçulmanos e entrelaça a revolta com a biografia e os amores da líder, Luiza Mahin. Segundo Avena, Luiza é símbolo da mulher livre e, se tem a força de uma guerreira, tem também a sensualidade das heroínas de Jorge Amado.


Figura venerada até hoje pelos baianos, nome de praça na Freguesia do Ó, em São Paulo, Luiza é considerada um dos símbolos da luta feminina contra a escravidão, mas sua existência ainda provoca debates no âmbito da historiografia oficial. No romance de Avena, ela é protagonista e o principal elo de ligação de diversos personagens recorrentes na tradição oral da Bahia.