Receba nossas atualizações

  • Cidade da Bahia
  • Ícone do Facebook Branco

© 2019 por Escriba Comunicação & Consultoria. Criado com Wix.com

  • Cidade da Bahia

Cliente especial


Por Diogo Tavares*


O jovem gerente já estava em casa à noite, com as pernas para o ar, quando recebeu a incumbência do pai, dono da rede de lojas de discos em que ele trabalhava. Era algo inédito, sem dúvida. Ele teria que abrir a loja situada em um grande shopping center de Salvador para atender um cliente especial no meio da noite.


O jovem ainda tentou argumentar com o pai que o próprio shopping já estava fechado. Ouviu que estava tudo arranjado. Sem outra alternativa, lá foi ele, quase meia-noite, para o shopping.


Mal abriu a loja a acendeu as luzes o tal cliente apareceu. Era um senhor, já meio calvo, de óculos. Reconheceu de imediato quem era, mas não falou nada. No geral, parecia saído de um filme de detetive, pois estava com sobrecasaca, apesar do calor de Salvador. Devia ter acabado de desembarcar no aeroporto após deixar o rigoroso inverno do hemisfério norte, analisou o jovem. Mas também poderia estar de partida para lá.


Após cumprimentar o gerente, o cliente especial começou a escolher CDs, que colocava para ouvir num aparelho de som. Pegava de tudo: axé music, jazz, samba, música clássica, forró, pagode... Até pagode! Alguns discos o homem separava depois de ouvir. De novo corria as prateleiras, escolhia outros títulos e colocava o fone de ouvidos para escutar trechos das músicas.


O gerente olhava eventualmente para o relógio. Uma hora, duas, três... O cliente já devia ter ouvido pacialmente mais de 300 discos quando se deu por satisfeito, apontou para uma pilha com 240 CDs e perguntou quanto era. O jovem gerente, que nunca realizara uma venda daquele tamanho, quase caiu pra trás.


Na hora do pagamento, nova surpresa: em dinheiro. Enquanto encaixotava os CDs, o gerente lembrou de uma coisa que já ouvira falar, mas nunca tinha testemunhado pessoalmente. Sem dúvida, as pessoas podiam estar aumentando, mas não inventando. Aquele João Gilberto era mesmo cheio das esquisitices.


*Crônica publicada no jornal Correio da Bahia, em 29 de outubro de 2000, ilustração original de Flávio Luiz/reprodução