Receba nossas atualizações

  • Cidade da Bahia
  • Ícone do Facebook Branco

© 2019 por Escriba Comunicação & Consultoria. Criado com Wix.com

  • Cidade da Bahia

“Aquele último verão” fala de amizade e reencontro


Estreia neste domingo, 8 de setembro, às 16h, no teatro Gamboa Nova, a peça “Aquele último verão”, um texto que expõe a amizade que transcende o tempo, o espaço e as adversidades. A montagem, que prossegue nos dias 14 (16h e 19h), 21 (16h e 19h) e 22 (16h) de setembro, Narra a história de dois amigos de adolescência que viveram intensamente a amizade e acabam por perceber que outro sentimento os envolvia, até que um deles se afasta sem um motivo aparente. Ingressos R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia entrada).


Com Gesner Braga e Mario Bezerra, além de participação especial de Hamilton Lima, a peça fala do reencontro dos dois amigos após duas décadas, longa ausência provocada pelas escolhas conflitantes de cada um. O acaso os reúne outra vez numa festa de colegas do colégio, quando então relembram – através das histórias vividas, das músicas que ouviam na época e dos lugares que frequentaram – a amizade nascida na juventude, com momentos divertidos e felizes, mas que deixou pendências a serem resolvidas.


A encenação adota uma construção realista na interpretação das personagens Pedro e Luiz, ressaltando o plano da memória por meio das situações que eles viveram, das músicas que ouviam na adolescência e de espaços da cidade de Salvador. A peça utiliza elementos tecnológicos para que a trilha sonora, composta por canções da MPB, seja operada pelos próprios atores.


A ambientação cênica também segue um conceito realista, além de minimalista, com o uso de um praticável como elemento cenográfico que remete as balaustradas das praias de Salvador. Em harmonia com a proposta geral, o figurino é concebido com trajes contemporâneos, utilizando uma paleta de cores que permita uma identificação imediata das personagens e suas personalidades. O projeto de iluminação reproduz o horário em que acontece a ação dramática, assim como as mudanças de atmosfera de acordo com as nuances do texto e da proposta da direção.


Com esta montagem, Roberto Laplagne celebra vinte e cinco anos de trajetória artística encenando um texto dramático de sua autoria, pela primeira vez, depois de seu último trabalho, “Dois perdidos numa noite suja”, de Plínio Marcos, que teve a sua estreia em dezembro de 2016, em Aracaju, Sergipe, tendo sido também apresentado em Salvador, no Teatro Gamboa Nova, em março de 2018.


Foto de Roberto Laplane/divulgação